Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Notícias

Minoria muçulmana é alvo de limpeza étnica em Mianmar, diz ONU

Mais de 400 mil rohingyas fugiram para Bangladesh e estão vivendo em condições extremamente precárias com acesso limitado a cuidados de saúde, água potável, latrinas e alimentos. O deslocamento começou dia 25 de agosto quando iniciaram operações militares em Rakhine, Mianmar (antiga Birmânia), após uma nova série de ataques contra delegacias de polícia e uma base militar reivindicada pelo Exército de Salvação Arakan Rohingya (ARSA, em inglês).

O grupo é vítima de perseguições e de graves violações de direitos humanos, que o alto-comissário das Nações Unidas para os direitos humanos, Zeid Al Hussein, descreveu como uma limpeza étnica. Em uma declaração conjunta nesta terça (26), sete especialistas da ONU pediram ao governo de Mianmar, o fim de toda a violência contra a minoria muçulmana Rohingya.

“Houve alegações confiáveis de violações graves de direitos humanos e abusos contra a população Rohingya. Elas incluem execuções extrajudiciais, uso excessivo da força, tortura e maus-tratos, bem como violência sexual e de gênero e deslocamento forçado. Houve ainda a queima e destruição de mais de 200 aldeias Rohingya e de dezenas de milhares de casas”, disseram os especialistas.

Para chegar em Bangladesh, a maioria cruza a fronteira depois de dias, às vezes semanas, de um longa travessia: eles fogem a pé e caminham quase sem parar e sem se alimentar, até que normalmente atravessam em barcos pesqueiros o rio Naf, fronteira natural entre os dois países do Sudeste Asiático. Mais pessoas continuam essa travessia todos os dias. As necessidades urgentes incluem alimentação, água, saneamento, abrigo e assistência médica.

Ajuda humanitária

Segundo a organização Médicos Sem Fronteiras (MSF), várias organizações humanitárias internacionais estão pedindo acesso imediato e sem restrições, inclusive para funcionários internacionais, para aliviar as necessidades humanitárias maciças no estado de Rakhine, em Mianmar.

O governo de Mianmar formulou e divulgou acusações contra as Nações Unidas e ONGs, negando as autorizações necessárias de viagem e atividade, além de difundir declarações e ações ameaçadoras de grupos extremistas. Tudo isso impede que todos os trabalhadores humanitários independentes forneçam a assistência necessária. Além disso, o norte de Rakhine foi declarado zona militar pelo governo de Mianmar, resultando em restrições administrativas e de acesso ainda mais severas.
Equipe Editorial Web
  • Textos publicados: 998 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Notícias

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.