Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Hermenêutica com (mais) propósito: interpretação bíblica para hoje

Karl Heinz Kienitz

Hermenêutica1 é uma disciplina muito abrangente, relevante em áreas tão diversas como a teologia e a inteligência artificial. Uma parte da hermenêutica tradicional, a hermenêutica da Bíblia, é especialmente importante também para a coexistência produtiva de fé cristã e ciência. Uma interpretação do texto bíblico, seguindo por exemplo os padrões dos grandes reformadores, provê sólido fundamento cristão para a atividade científica, um fundamento, aliás, que nucleou a revolução científica ocidental2.

No entanto, grande parte da atual prática de interpretação bíblica tem se desviado daquela dos principais reformadores, que não foram dispensacionalistas, pré-milenaristas, pré-tribulacionistas etc. Foram simplesmente cristocêntricos, literais e históricos.

Adotamos o método literal e histórico de interpretação, sim, e vemos com restrições uma interpretação devocional da Bíblia ao estilo do pietismo, que rotulamos de “subjetiva”. Por outro lado, nosso meio é solo fértil para vertentes triunfalistas com típicas inconsistências pós-modernas, pois falhamos na interpretação capaz de alimentar uma vida cristã prática. Falhamos em compatibilizar rigor histórico-literal com propósito devocional. Um exemplo encontra-se nas tão debatidas interpretações dos primeiros capítulos da Bíblia e de passagens escatológicas, em que prazerosamente articulamos complexas especulações sobre o passado e o futuro. Ali atolamos, às vezes em meio a conflitos com a ciência, e, o que é pior, sem obter algo de valor devocional, valor que muitos passam a buscar, com “muita fé”, num inconsistente experiencialismo triunfalista, em “fogo estranho”.

É como se a nós se aplicasse a quarta estrofe da Canção da Noite (“Abendlied”), um dos mais conhecidos poemas da literatura alemã, escrito por Matthias Claudius (1740-1815):

Nós humanos orgulhosos
e pecadores vaidosos
não sabemos muito.
Tecemos teias de ar,
buscamos muitas artes
e do destino continuamos a nos afastar.

Que hermenêutica proveria o foco adequado hoje? Considerando especificamente as passagens proféticas, uma possibilidade é o retorno ao enfoque pietista, que não renega o método literal e histórico, mas enfatiza a esperança (e não os detalhes) da segunda vinda de Jesus, proporcionando assim um poderoso eixo motivador para uma vida cristã prática e dinâmica.

Enfoque semelhante para o contexto geral é apontado por Menno Simons (1496-1562), num texto em que luta pela interpretação de passagens bíblicas sobre a encarnação. Menno percebe que sua formulação ficou rebuscada, de pouco valor prático. Diante do problema diz: “Certamente reconheço haver muito poucos que podem compreender corretamente este assunto, mesmo após ouvir sua exposição precisa. Por isto sou do parecer para mim e todos os professores que é melhor ensinar o assunto […] aos membros da congregação de forma simples e apostólica visando edificação, amor, consolo, santificação e levando-os a seguir a santa doutrina e a vida de Jesus. Queira Deus dar a todos este mesmo sentimento. No entanto, se houver alguém que deseja conhecimento mais profundo, e se lhe for útil e seu entendimento suficiente, então não lhe será escondido; caso contrário ser-lhe-á dito: 'Aplica-te àquilo que te é acessível e não te ocupes com coisas misteriosas. (Eclesiástico 3.22)’” 3,4

Portanto a resposta parece estar numa interpretação e aplicação motivadas pelo propósito de proporcionar edificação, amor, consolo, santificação, pelo desejo de seguir a doutrina e vida de Jesus (e não de algum teólogo) e levar outros a fazer o mesmo.

Fico surpreso com a riqueza das lições que podem ser aprendidas com os reformadores e seus sucessores mais próximos. Há ali potencial para um potente antídoto contra o inconsistente pós-modernismo evangélico, que se deleita com posições intelectualmente sutis e sofisticadas, tem problemas com a ciência e flerta com um experiencialismo inconsistente.

Notas
1. Hermenêutica é o conjunto de princípios, leis e métodos de interpretação, e sua aplicação.
2. L. Haarsma - "Cristianismo como um fundamento para a ciência", disponível em www.freewebs.com/kienitz/Haarsma_pt.pdf
3. Menno Simon – Vollständige Werke (Obras completas), parte 2, pg. 468, Pathway Publishers, 1971.(disponível no Google Books em books.google.com/books?id=c2o0L5Dyv5YC&hl=de). O grifo é meu.
4. Nesta citação Menno usa uma passagem apócrifa, não como palavra de Deus, mas como texto de sabedoria. Ele, Lutero e outros consideravam os apócrifos “livros que não são considerados iguais às Sagradas Escrituras, mas mesmo assim de leitura boa e proveitosa” (Lutero); chegaram até mesmo a pregar sobre eles.
Tem doutorado em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica Federal de Zurique, Suíça. É professor de engenharia em São José dos Campos (SP). É editor do blog Fé e Ciência.
  • Textos publicados: 32 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.