Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

É possível ser grato e fiel sem segundas intenções?

Por Luiz Fernando dos Santos

Será que Jó não tem razões para temer a Deus? Acaso não puseste uma cerca em volta dele, da família dele e de tudo o que ele possui? (Jó 1:9,10)

O livro de Jó é um dos mais impressionantes, intrigantes e ricos de todo o Antigo Testamento, sem falar também que é uma pérola da literatura.

Como todo livro do gênero sapiencial, o livro de Jó possui uma mensagem de prática aplicação a situações concretas da vida, ou nos fornece uma chave de interpretação para eventos aparentemente desconexos de nossa existência. No caso de Jó, além destes dois fatores, a narrativa nos apresenta uma sólida teologia acerca da soberania de Deus sobre o mundo (visível e invisível), e todos os demais atributos de Deus, quer ‘comunicáveis ou incomunicáveis’.

Há também uma lição importante sobre vida espiritual sadia e madura.

A pergunta-afirmação de Satanás possui fundamento (Jó 1.9-10). É real e possível a gratidão e fidelidade a Deus embasada apenas em benefícios recebidos, em graças alcançadas, em favores desfrutados. Satanás questiona o fundamento da fidelidade de Jó. Afinal de contas, Jó não tem do que reclamar se comparado à vida de outros homens ele é um felizardo. Rico, sábio, afamado, com uma grande família, nenhuma peste ou doença tem se aproximado de sua tenda, não possui inimigos, pelo menos não suficientemente capazes de fazê-lo perder uma noite de sono. Jó é um abençoado.

Satanás “desafia” esta fidelidade quanto a sinceridade de seu coração, como que propondo um teste para Deus. O Senhor permite uma limitada, porém ampla atuação de Satanás na vida de Jó: bens, afetos, familiares, casamento, amigos, fama, admiração. Tudo vai saindo de sua vida de modo inesperado e catastrófico. Jó perde o controle de sua história, não, porém, a sua convicção de que Deus continua soberano. Por fim, também a sua integridade física e psíquica começa a sofrer os ataques do diabo e começa a experimentar uma espécie de depressão. Jó é tentado a apostatar, a blasfemar, a crer numa teologia deformada quanto ao caráter santo, justo e amoroso de Deus. De fato, se Satanás estivesse certo, já não havia razões plausíveis para que continuasse fiel, grato e obediente.

Incrivelmente no início de sua desventura, vislumbramos um pouco da índole de Jó: “Nu saí do ventre de minha mãe e nu voltarei; o Senhor o deu e o Senhor tomou; bendito seja o nome do Senhor.” (Jó 1.21).

Infelizmente a gratidão por amor a si mesmo, mais do que por amor a Deus também se estende sobre as nossas relações:
Se vocês amam somente aqueles que os amam, o que é que estão fazendo de mais? Até as pessoas de má fama amam as pessoas que as amam. 33 E, se vocês fazem o bem somente para aqueles que lhes fazem o bem, o que é que estão fazendo de mais? Até as pessoas de má fama fazem isso. (Lucas 6.32-33).

Muitos cultivam certa relação pacífica, de entendimento e amizade, na mesma medida em que são beneficiados em algo. Entretanto, quando se vêm frustrados ou contrariados, se enraivecem e se tornam inimigos letais.

Com Deus a conduta em nada se difere. Não suportam os reveses da vida. Não conseguem administrar perdas e dores. Como crianças mimadas culpam a Deus por suas falaciosas esperanças não correspondidas, tem uma deturpada imagem de um ‘deus’ mágico e serviçal. Deus procura adoradores que o adorem em espírito e verdade e não bajuladores. Isto significa que Deus que ser adorado, amado, servido, por quem o busca por aquilo que Ele é, pelas excelências de seu caráter, pela beleza de sua santidade. Qualquer outra motivação, ainda que seja a gratidão, nunca será suficiente ou plena de verdade nos relacionarmos com Deus.

O benfeitor deve ser amado mais do que o bem feito. O doador deve ser mais desejado que o dom. Peçamos a Deus para que Ele nos tire da criancice espiritual, que ele nos dê de Jó mais que sua paciência, nos conceda também a pureza de suas intenções e fidelidade no tocante a Deus. Peçamos ao Senhor que saibamos amá-lo por sua santidade indefectível mais do que pelo seu poder invencível. Digamos a ele como Calvino: “Ofereço Senhor, meu coração pronto e sinceramente.”
É ministro da Igreja Presbiteriana Central de Itapira (SP) e professor de Teologia Pastoral e Bioética no Seminário Presbiteriano do Sul, de Filosofia na Faculdade Internacional de Teologia Reformada (FITREF) e de História das Missões no Perspectivas Brasil.
  • Textos publicados: 44 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.