Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Prateleira

Doação eleitoral

A Agência Brasil traz hoje a notícia de que a Justiça Brasileira analisa mais de 10 mil representações contra doações ilegais em campanhas das eleições de 2010. O estado onde há mais representações é São Paulo: 1.330, seguido pelo Pará (931) e por Goiás (820). Somente em São Paulo, foram registrados mais de R$ 26 milhões em excesso de doações. É difícil acreditar em tamanha “generosidade” a ponto de ir contra a lei eleitoral. Neste caso, se o cavalo é dado, precisamos prestar atenção nos dentes.

A corrupção, no entanto, não é “privilégio” somente destes estados. O levantamento evidencia mais uma vez que a falta de ética é um fermento que corrompe boa parte da prática política do país. Outros casos recentes de suspeitas de corrupção também fortalecem a sensação de que estamos sendo constantemente ludibriados por quem deveria ser exemplo de compromisso com o bem comum e a dimensão pública.

Para o sociólogo Paul Freston, em Religião e Política, Sim. Igreja e Estado, Não – Os Evangélicos e a Participação Política, não podemos cair na tentação de simplesmente generalizar o problema, o que nivela, mas não explica. “As categorias genéricas não servem para explicar casos específicos. Porque a corrupção é um estado teológico geral, todos nós somos, em alguma medida, corruptos por causa do pecado. Mas, ao mesmo tempo, na política a corrupção é muito variada. Às vezes, ela é mais alta em alguns países do que em outros. Num mesmo país, ela pode ser mais comum hoje do que foi no passado, ou vice-versa. Por isso, precisamos criar outras categorias para examinar com mais profundidade essa realidade”.

Freston é bem realista. “É impossível chegarmos à ‘corrupção zero’, mesmo restringindo-a consideravelmente, porque existe a corrupção por necessidade e a corrupção por ganância. O governo pode combater a corrupção por necessidade com salários mais altos, porém o corrupto por ganância continuará corrupto mesmo com o salário mais alto do mundo”.

E quanto aos políticos evangélicos brasileiros, eles são exceção? “Se alguém me pergunta se confio em algum político evangélico, respondo que não. E o chocante não é a minha resposta, mas o fato de que muitos evangélicos acham quase uma heresia dizer isso. Mas, biblicamente, não devemos confiar nos príncipes, mesmo que sejam evangélicos e tenhamos ajudado a colocá-los no poder!”, diz Freston.
Equipe Editorial Web
  • Textos publicados: 1008 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Prateleira

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.