Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Prateleira

Deu na Folha, no Jornal do Brasil, no Estado de Minas...

Para quem não está acostumado a confetes ou circunstâncias, o lançamento de Cartas entre Freud & Pfister foi quase um escândalo. Deu no Caderno “Mais”, da Folha de S. Paulo, no Estado de Minas e, pasme, uma página inteira no Caderno “Idéias” do Jornal do Brasil.

Cem anos depois do início de tudo, agora com nova capa e de acordo com a nova ortografia, a Editora Ultimato lança a segunda edição (sexta impressão) de um dos seus mais “aclamados” títulos — uma espécie de diálogo entre a fé cristã e a psicanálise. As Cartas entre Freud & Pfister revelam 30 anos de pequenas rusgas, confidências, afagos e influências entre um “cura de almas espiritual” — o teólogo protestante Oskar Pfister — e o mais conhecido dos ateus, que se apresenta como um “cura de almas mundano”. Talvez, um pouco mais. Nas palavras do psicanalista Joel Birman, trata-se do “arquivo discursivo mais importante para balizarmos a relação entre os discursos psicanalítico e religioso”.

O que pode parecer estranho não é novidade. Em setembro de 2007 publicamos aqui na Prateleira a mesma pergunta que fazia naqueles dias a revista dominical do The New York Times: Freud era um defensor da fé cristã? A resposta, óbvia, é não. No entanto, o mais conhecido dos ateus dizia “graças a Deus” com alguma frequência, para o arrepio dos seus pares. O autor de Deus em Questão: C.S. Lewis e Freud é ainda mais específico: “Freud cita frequentemente a Bíblia [...]. As cartas são repletas de ‘se Deus quiser’; 'o bom Senhor'; 'a vontade de Deus'; 'pela graça de Deus'; 'minha oração secreta' [...]”.

Como se não bastasse, além destas poucas e boas razões para se ler as Cartas, temos no prefácio o veredicto da própria filha do pai da psicanálise, Anna Freud: “Se você quiser conhecer o meu pai, não leia a sua biografia: leia as suas cartas”.


É diretor editorial da Ultimato.
  • Textos publicados: 174 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Prateleira

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.