Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Prateleira

Desconfie: alguém orou por você

Ando desconfiado. Alguém, de quem não faço a menor idéia, tem orado por mim. E, pasme, também por você. Claro, outro alguém. Faz tempo.

É surpreendente, embora óbvio, o que descobrimos quando esperamos ou recebemos de Deus um agrado. Algo precisa (ou precisaria) ser feito. Apelo a C. S. Lewis: “Na maioria das nossas orações, pedimos por um milagre ou por acontecimentos cuja base deveria ter sido lançada antes de termos nascido”. Por isso, minha desconfiança.

A oração parece uma “completa loucura“, diria o autor de Práticas Devocionais. E mais: “Outra coisa estranha é que o propósito da oração não é tornar Deus ciente da nossa dor e da nossa necessidade. A oração é o instrumento pelo qual confessamos duas coisas ao mesmo tempo: a estreiteza de nossos recursos e a extrema largueza dos recursos do poder e do amor de Deus”.

Leio mais uma vez a conhecida oração “bumerangue” de Jó. Isso mesmo. Ele orou pelos amigos e a sua vida mudou (Jó 42.10). E, de quebra, a dos amigos. Na verdade, Deus não aceitaria a oração dos primeiros interessados, mas a do amigo deles. E, por isso, cresce a minha desconfiança de que alguém ora por mim. Talvez um amigo, como o amigo de Elifaz, Bildade e Zofar. Quem sabe, meu avô, minha mãe, meu filho. Não sei...

O pior (ou melhor) é que precisamos confessar, como Paulo: “Não sabemos orar” (Rm 8.26). Mas, enquanto aprendemos, volto a C. S. Lewis: “Para Deus (ainda que não para mim), tanto eu quanto a oração que fiz em 1945 estavam tão presentes na hora da criação do mundo quanto estão agora e estarão daqui a um milhão de anos. O ato criativo de Deus é eterno e eternamente adaptado aos elementos “livres” dentro dele; mas nós nos conscientizamos dessa adaptação de forma seqüencial pela oração e sua resposta”.

Embora atordoado, assim como o poeta, “eu permaneço atento”. Mas dou graças a Deus. 



Leia o livro
Um Ano com C. S. Lewis — leituras diárias de suas obras clássicas
Práticas Devocionais, Elben César
É diretor editorial da Ultimato.
  • Textos publicados: 173 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Prateleira

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.