Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Prateleira

De Lula para o Papa: Religião e Política, sim; Igreja e Estado, não

Nas palavras da embaixadora do Brasil no Vaticano, Vera Machado, o papa espera do presidente Lula a assinatura de um acordo de regulamentação da Igreja Católica, em que constariam questões sociais e tributárias, ainda no “mandato” de ambos. Para não perder a ambigüidade da afirmação, diríamos que, ou Bento 16 está em campanha para a re-reeleição de Lula ou, digamos, sugeriu um “pontificado” longevo para o presidente.

Segundo o portal de notícias G1, Lula disse ao papa que vai "preservar e conservar o Estado laico e ter a religião como um instrumento para tratar do espírito e de problemas sociais". Ao que parece o presidente leu Religião e Política, Sim; Igreja e Estado, Não, do sociólogo inglês naturalizado brasileiro Paul Freston. Para o autor, foi a percepção de alguns dos primeiros protestantes nos séculos 16 e 17 que deu início à separação entre Igreja e Estado. Paul Freston afirma que, “com bases teológicas, eles perceberam que a visão cristã do Estado é que o Estado não deve ser cristão”.

Em seu discurso na cerimônia de chegada de Bento 16 ao Brasil, o presidente disse que “a presença da Igreja Católica tem sido fundamental na vida brasileira, contribuindo sempre, e cada vez mais, para a elevação espiritual, moral e social do nosso povo. [...] O Estado brasileiro e a Igreja Católica têm uma longa e profícua trajetória de respeito mútuo e de cooperação, que se traduz em inúmeras parcerias de ação social e de promoção humana”.

De fato, o papel do Estado não é defender ou promover uma determinada igreja ou religião. No entanto, religião e política podem, sim, ser misturadas; “uma pessoa pode ser inspirada por sua fé religiosa a ingressar na política e defender certas propostas”. Claro, é nosso dever apontar o oportunismo de candidatos e nosso direito discordar deste ou daquele político instalado no poder, mas dizer que a religião nada tem a ver com a ação política é lógica e historicamente falso. 


Leia o que Ultimato publicou sobre o assunto
A Maré Evangélica, edição 302

Leia o livro
Religião e Política, Sim; Igreja e Estado, Não, Paul Freston
A Igreja, O País e o Mundo, Robinson Cavalcanti
Cristianismo e Política, Robinson Cavalcanti
É diretor editorial da Ultimato.
  • Textos publicados: 173 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Prateleira

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.