Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Conspiração

Karl Heinz Kienitz

Com excessiva frequência somos confrontados com vigorosos ataques contra a fé cristã e com escândalos morais de toda ordem. A percepção de que há algo errado têm sido expressa nas mais diversas ocasiões. Max Ziegelbauer, por exemplo, bispo (emérito) da diocese católica romana de Augsburg, Alemanha, formulou recentemente1: “Vivemos numa época de ideologias, frequentemente militantes. Pontos de vista parciais na 'qualidade' de hipóteses são elevados ao todo e absoluto. Um mito qualquer está contra o mistério, uma alegação contra o Evangelho, a instituição de um novo mundo com uma sociedade livre de Deus contra a salvação em Cristo. Temperamentos calmos talvez perguntem: por que tal rispidez, tal pessimismo? A vigilância infelizmente precisa concordar: 'O objetivo estratégico é a erradicação da religião'”. Semelhantemente Kurt Gödel, um dos maiores matemáticos do século 20, externava em 1961 a preocupação de que “noventa por cento dos filósofos contemporâneos consideram que sua principal tarefa é destruir a religião na mente das pessoas”.2

A ligação entre desenvolvimentos nas esferas moral e espiritual permanece muitas vezes subentendida e pode ser paradigmaticamente ilustrada com Bertrand Russell (1872-1970), brilhante matemático, apaixonado defensor do ateísmo, pioneiro do matrimônio aberto (sem compromisso de fidelidade sexual), autor do livro “Por que não sou cristão”, e profundo conhecedor de técnicas de manipulação social. Sobre (parte de) sua motivação o próprio Russell escreveu3: “Há um ódio feroz em mim, um ódio que é igualmente uma fonte de vida e energia – cessar de odiar não seria realmente bom… eu costumava estar receoso de mim mesmo e do lado escuro de meu instinto, [mas] agora não estou”.

Há muitos que veem em tal estado das coisas um prenúncio do fim dos tempos. Mas a Bíblia menciona ateus debochados e sociedades imorais e injustas desde a Antiguidade. Podemos ainda recordar o pântano moral das fases mais negras do Império Romano; a vida frívola em muitas cortes europeias do passado; ou a Viena de meados do século 19, onde mais da metade dos nascimentos ocorriam fora de casamentos.

É certo que nossa sociedade possui distintivos inéditos, como a invasão facilitada da privacidade pela mídia, por exemplo. Mas a raiz do problema continua sendo a mesma: “o mundo inteiro jaz no maligno”.4 As evidências que se manifestam são mais conspiratórias do que apocalípticas; e sabemos quem é o conspirador. Por incrível que pareça, o próprio Bertrand Russell admite a possibilidade de sua existência, mas afirma não se importar, alegando motivos filosóficos: “Também não posso provar que Satã seja uma ficção. E o Deus cristão pode existir, assim podem os deuses do Olimpo... Eles estão fora da região de conhecimento provável e por isto não há razão para considerá-los”.5 A essência de posicionamentos deste tipo é questionada por intelectuais de renome como Gödel e Einstein, que sempre relutaram em restringir o que existe àquilo que se pode conhecer usando o método científico.6 A atitude expressa na última frase da citação obviamente é um tiro que no cotidiano tipicamente sairia pela culatra. Mesmo não conhecendo os imprevistos de amanhã, por exemplo, nem sua probabilidade, o ser humano prudente prepara-se de alguma forma: financeiramente, emocionalmente etc. Além disto, escolher nivelar com mitos gregos a revelação de Deus ao longo da história, especialmente a revelação por meio do Jesus da história, só é possível com supressão de evidência. Está configurada, pois, uma questão de vontade e não filosófica. A ela Jesus se refere quando diz aos céticos do primeiro século: “Mas não quereis vir a mim para terdes vida!”.7

Quem observa sucessores de Russell – por exemplo Richard Dawkins, autor do bestseller “Deus, um Delírio” – constata que a estratégia de seduzir a humanidade a “não querer” não mudou: oratória, carisma, plausibilidades, endoutrinamento, deboche, enfim qualquer coisa para desestimular o contato do grande público com o Evangelho. Tudo isto acompanhado de uma avalanche de lixo cultural e moral que apela aos sentidos; tudo para blindar o indivíduo contra o Evangelho. Felizmente este objetivo é inalcançável, pois “não é a minha palavra como fogo, diz o Senhor, e como um martelo que esmiúça a pedra?”.8 São abundantes as biografias que confirmam isto.

Mesmo assim, às vezes o desânimo com o estado das coisas ameaça se impor. Para estes casos Ruy Barbosa deixou-nos um exemplo de reorientação. Em certa situação escreveu a um amigo: “Nunca senti pelas vilanias humanas mais enjoos e pela sorte de nossa terra mais desânimo. Felizmente a fé em Deus se me vai acendendo, à medida que se me apaga a confiança nos homens. No meio de tantos desconfortos e iniquidade tenho me entregado estes dias exclusivamente à leitura do Evangelho, a eterna consolação dos malferidos nos grandes naufrágios”.9 Ruy Barbosa apropriou-se de nova perspectiva lendo o Evangelho, onde Jesus diz: “No mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo”.10

Mais tarde João ensinaria que “todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé. Quem é que vence o mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus?”.11 Esta perspectiva vitoriosa é, pois, a perspectiva cristã conclusiva em qualquer cenário, inclusive no enfrentamento de conspirações fadadas ao fracasso final.

Notas
1. No prefácio para Wilhelm Overhoff - "Welt ohne Gott?" Norderstedt, 2006.
2. Paul Yourgau – "A world without time – the forgotten legacy of Gödel and Einstein", Basic Books, 2005, como citado em P.M.G. Ferreira – "A fé em Deus de grandes cientistas", Loyola, 2009.
3. D. J. Peterson - "Revoking the moral order: the ideology of positivism and the Vienna circle", Lexington Books, 1999.
4. João 5:19
5. D. J. Peterson, id.
6. Paul Yorgau, id.
7. João 5:40
8. Jeremias 23:29
9. Como citado no documento "Discurso no Colégio Anchieta", Fundação Casa de Rui Barbosa, Rio de Janeiro, 1981.
10. João 16:33
11. 1 João 5:4-5


• Karl Heinz Kienitz
é doutor em engenharia elétrica pela Escola Politécnica Federal de Zurique, Suíça, em 1990, e professor da Divisão de Engenharia Eletrônica do Instituto Tecnológico de Aeronáutica. www.freewebs.com/kienitz

Leia o livro
O Escândalo do Comportamento Evangélico, Ronald Sider
Tem doutorado em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica Federal de Zurique, Suíça. É professor de engenharia em São José dos Campos (SP). É editor do blog Fé e Ciência.
  • Textos publicados: 32 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.