Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Notícias

Campanha convoca igreja brasileira a orar pelos quilombolas

Acontece no período de 20 a 26 de novembro a Semana Nacional de Oração Pelos Quilombolas. Iniciativa da
  Aliança Evangélica Pró-Quilombolas do Brasil, a campanha tem como tema “Concede Senhor morada no céu e na terra aos quilombolas do Brasil”, com base na passagem bíblica de Salmos 115.16.

Segundo organização, a campanha quer mobilizar os cristãos a orar em favor dos quilombolas e tornar a realidade espiritual e social do grupo mais conhecida à igreja evangélica brasileira.

Os quilombolas estão entre os segmentos menos evangelizados do Brasil. Atualmente, há 3010 comunidades quilombolas certificadas pelo Estado, mas o número total pode chegar a cinco mil comunidades. Entre essas, estima-se que duas mil comunidades não contem com nenhuma igreja.

Para participar da semana de oração, basta preencher o cadastro de inscrição, e optar pelo cadastro individual ou cadastro para igrejas. Um Guia de Oração, com um tema específico para cada dia da semana, será enviado para o e-mail cadastrado.

Realidade quilombola

Atualmente, as comunidades quilombolas se autodenominam a partir de suas relações com o território ocupado e a ancestralidade negra ligada a ex-escravizados que criaram esses espaços de resistência. A partir de 2020, a
  população quilombola poderá ganhar uma categoria no censo demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), para ampliar o debate sobre os desafios particulares dessas comunidades.

A população quilombola enfrenta graves problemas sociais e econômicos. Das 190 mil famílias quilombolas que recebem algum tipo de ajuda dos programas sociais do governo federal, atualmente, cerca de 70% estão em situação de extrema pobreza.

A titulação dos territórios é outro agravante. Apenas 296 comunidades quilombolas contam com o título de propriedade. Hoje, no Incra, há mais de 1.600 pedidos de regularização de terras consideradas quilombolas. De acordo com o jornal O Globo, esses pedidos podem ser negados, caso seja revogado o decreto que regula a titulação de terras para quilombolas – Ação Direta de Inconstitucionalidade, de autoria do DEM, em trânsito no Supremo Tribunal Feral (STF).

Há comunidades certificadas em quase todos os Estados do Brasil, com exceção de Acre, Roraima e o Distrito Federal. A região com o maior número de comunidades é o Nordeste, onde está concentrada mais de 60% das comunidades certificadas do país. Os Estados com o maior número de comunidades certificadas são: Bahia, Maranhão, Minas Gerais, Pará e Pernambuco. Saiba mais

Serviço
Evento: Semana Nacional de Oração pelos Quilombolas do Brasil.
Data: 20 a 26 de novembro.
Organização: Aliança Evangélica Pró-Quilombolas do Brasil.
Clique aqui para mais informações e cadastro.

Foto:
Ana Cláudia Nunes.

Leia mais
Quilombolas cada vez menos invisíveis
Quilombolas: um desafio para a igreja
Quilombos [galeria de fotos]
Equipe Editorial Web
  • Textos publicados: 1008 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Notícias

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.