Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Como não transformar pedras em pães

“Manda que esta pedra se transforme em pão” (Lc 4.3)

Tente sentir o ambiente do deserto pedregoso, o terreno acidentado, o vento seco, a solidão. Agora veja Jesus. Não o ocidental de muitas igrejas, mas o Jesus do Oriente Médio, moreno, com nariz semita, mais ou menos trinta anos de idade, sem nada de excepcional ou de belo. Depois de quarenta dias de andanças, jejuns e tentações; bebendo em rios, meditando e orando. A roupa suja, a barba desfeita (Jesus não é um executivo ocidental do século 21! É um carpinteiro palestino do primeiro século, virando mestre religioso herético.)

Imagine Jesus sentado numa rocha. Um “close” em seu rosto revela o drama. Nesses quarenta dias, ele tem sido assolado por todo tipo de tentação. Todas as outras opções de vida se desfilaram em sua mente. A batalha foi dura, mas o pior ainda o espera. A batalha física também chega ao seu auge; após quarenta dias a fome volta, a inanição começa, o corpo esgota suas reservas. É a hora de terminar o jejum; a saúde recomenda e a tradição também. Então, o diabo vem primeiro com uma sugestão óbvia. Como ela se apresenta? Talvez assim: Jesus está sentado, pensando. Olha para uma pedra sem vê-la, como fazemos quando estamos absortos em meditação. De repente, seus olhos focalizam e ele realmente vê a pedra. Seria tão fácil transformá-la em pão! E por que não? Que vontade de pegar a pedra e...

O que Jesus via se transformava em sugestão. É essa transformação que constitui o substrato da afirmação de que “o diabo lhe disse...”. Certamente não devemos imaginar alguma aparição diabólica ou coisa semelhante. A sutileza da tentação é que ela vem pelas vias normais da existência cotidiana. A tentação se apresenta como uma “possibilidade natural”. “O diabo disse” é a interpretação teológica do acontecido. Talvez, quando veio a ideia da possibilidade de transformar a pedra em pão, Jesus não tenha chegado logo à constatação da sua origem diabólica.

Para os cristãos, a afirmação bíblica de que Jesus não pecou muitas vezes leva a uma compreensão artificial de sua santidade, de modo que a sua humanidade se perde. Dificilmente conseguimos imaginar um Jesus que tenha sido “realmente” tentado. Ora, as tentações de Jesus são “reais” e “ferozes”. Aliás, os momentos mais fortes de tentação estão nos dois extremos: ou quando já abrimos a porta e preparamos a nossa queda, ou quando estamos mais próximos de Deus, mais empenhados em sua busca. Por isso, temos de entender que Jesus “podia cair”, e que sentia uma tremenda vontade de cair, de aproveitar aquela oportunidade que o seu ambiente lhe oferecia. Precisamos humanizar a nossa imagem de Cristo; caso contrário, nosso cristianismo não nos servirá.

É importante entendermos que o diabo procura tentar Jesus no nível da sua obediência ao Pai, não no nível da sua consciência de ser o filho. Não está dizendo: “Será que você é filho de Deus mesmo? Duvido!”. Está dizendo: “Já que você é filho de Deus e tem todo esse poder, o que você vai fazer como filho de Deus?”. Da mesma forma, o diabo não duvida do “status” nem do poder do cristão. Mas, o que nós vamos fazer? É fácil responder de barriga cheia, quando transformar pedras em pães não tem atração alguma!

A tentação é a de usar seu poder como Filho de Deus para os próprios fins, em vez de ser obediente ao Pai. A versão moderna seria: “Já que você é cristão, mande que seu dinheiro aumente, que você seja bem-sucedido, que todas as suas vontades se realizem, que você nunca passe por dificuldades na vida”. É a religião do filho mimado, tão própria de uma sociedade consumista que não consegue imaginar por que, tendo os meios à disposição, alguém poderia não transformar as pedras em pães.

A resposta de Jesus nos diz: se Deus lhe deu um poder ou um talento, isso em si não importa. A questão é: como você vai usá-lo -- para si ou para Deus? Para o líder religioso, a mensagem é: não enriqueça com a religião! Retire a religião do mercado, como fez o apóstolo Paulo: “A verdade é que nunca usamos de linguagem de bajulação, como sabeis, nem de intuitos gananciosos. [...] Estávamos prontos a oferecer-vos não somente o evangelho de Deus, mas, igualmente, a própria vida [...]. Noite e dia labutando para não vivermos à custa de nenhum de vós, vos proclamamos o evangelho de Deus” (1Ts 2.5-9).

Que desejo Jesus deve ter sentido de pegar aquela pedra e usar o seu poder de transformá-la! A essência desse tipo de tentação é o hiato entre um poder (ativo ou passivo) que temos e a “abstinência” que devemos mostrar no uso daquele poder. Nós não somos Jesus nem somos tentados a fazer pães de pedras. No entanto, há um paralelo com o uso que fazemos da imaginação. Com minha imaginação, transformo pedras em pães todos os dias. Sacio meus desejos (de realização, vingança, reconhecimento, satisfação erótica). Mas Cristo me faz adequado. Não preciso usar a minha imaginação para me afirmar às custas dos outros. Minha imaginação santificada pode vencer a minha imaginação corrupta.

Tentamos transformar pedras em pães também de maneiras mais concretas, em nosso estilo de vida, que reflete nossas prioridades. Na resposta de Jesus, Lucas deixa a citação de Deuteronômio incompleta. Cada pessoa no mundo completa a frase de alguma maneira (com a realidade da sua vida), pois de fato ninguém vive só de pão. E eu? De que mais eu vivo? De reconhecimento, elogios, amizades, coisas... Jesus não tinha nada disso naquele momento; estava desprovido de tudo.

O final da frase que Lucas omite está em Mateus: “Mas de toda palavra que sai da boca de Deus”. A preocupação de pautar a sua vida pela palavra de Deus dá a Jesus a força para perceber e resistir à tentação. Ele poderia sair do deserto e achar comida pelas vias normais, como deve ter feito. A tentação não era de comer, ou seja, de quebrar o jejum; já estava na hora de fazer isso. A tentação era de usar o seu poder como mágica, como simples técnica para realizar seus desejos; de não subordinar o emprego do seu poder ao projeto de Deus entre os homens.

Um dia, Jesus faria uso do seu poder para alimentar as pessoas. Há um vínculo com o não-uso do mesmo poder no deserto. O Jesus que tivesse se alimentado no deserto alimentaria a multidão de 5 mil pessoas e se deixaria seduzir pelo poder sobre elas que esse ato lhe daria. Então, a ideia de se sacrificar na cruz seria anulada.

Jesus está sozinho aqui. Se transformasse a pedra em pão, ninguém veria. Porém, para Jesus, não há dicotomia em sua vida, entre uma face oculta e uma face pública. Os 90% do “iceberg” que estão embaixo d’água são da mesma consistência dos 10% que estão em cima. O que se é na solidão, é o que se é na realidade. Quantos líderes cristãos sabem, em seu íntimo, que o brilho que aparentam à luz do sol polar nada tem a ver com a escuridão em que vivem nas águas turvas do oceano! Mas perpetuam a farsa, na vã esperança de que ninguém repare ou de que a coisa um dia se resolva. Estão carregando uma bomba-relógio. Enquanto é tempo, precisam tratar dos dois lados da questão. Quanto à face pública, cultivar a humildade, deixando claro que, se são líderes cristãos, é exclusivamente porque Deus fez uma “opção pelo pobre”. Como pecador tentando seguir o modelo de Jesus, o líder precisa trabalhar constantemente para erradicar qualquer traço de prepotência e livrar-se das máscaras. Quanto à face oculta, não se conformar com a discrepância entre seu desejo de santidade e a realidade, mas trabalhar para que a vida seja íntegra. Humildade e integridade são as qualidades que mais ajudam as pessoas a crescerem em Cristo; a ausência dessas qualidades é o que mais prejudica a imagem da fé aos olhos da sociedade.

O homem deve viver “de toda palavra que sai da boca de Deus”. Em primeiro lugar, refere-se à Palavra escrita de Deus, a Bíblia. A própria frase é uma citação do Antigo Testamento. Mas vai além; passando pela Palavra escrita, torna-se a vontade expressa de Deus para mim “hoje”. Não temos um Deus morto que deixou um livro, mas um Deus vivo que continua falando. De palavras de Deus hoje, eu preciso viver. Se todo dia como pão para o sustento da vida, preciso, da mesma forma, escutar todos os dias as palavras de Deus constantemente atualizadas e personalizadas. Para viver essa vida, a receita divina para a plena humanidade, é essencial a associação de Escritura e postura meditativa.


Nota:
Artigo publicado originalmente na revista Ultimato 361 (Julho/Agosto 2016). Para assinar a revista Ultimato, clique aqui.

Leia também
Nem Monge, Nem Executivo 
Vencendo a tentação 
O incômodo da tentação 

Imagem: Homem de Dores, de William Dyce, 1860
Autor de "Religião e Política, sim; Igreja e Estado, não" e "Nem Monge, Nem Executivo - Jesus: um modelo de espiritualidade invertida", ambos pela Editora Ultimato; e "Neemias, Um Profissional a Serviço do Reino" e "Quem Perde, Ganha", pela ABU Editora, Paul Freston, inglês naturalizado brasileiro, é doutor em sociologia pela UNICAMP. É professor do programa de pós-graduação em ciências sociais na Universidade Federal de São Carlos e, desde 2003, professor catedrático de sociologia no Calvin College, nos Estados Unidos. É colunista da revista Ultimato.
  • Textos publicados: 9 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.