Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Prateleira

Auto-ajuda não é exercício espiritual

Com exclusividade, ultimatoonline antecipa ao seu leitor a seção "Pastorais" da edição 303 de Ultimato, que entra em circulação na próxima semana. 

M
ais importante que a observância de todas as regras de auto-ajuda é a comunhão com Deus. Levar Deus a sério, buscá-lo continuamente, aproximar-se dele, crer nele, alegrar-se nele e preferi-lo mais do que qualquer outra coisa ou do que qualquer outra pessoa — é infinitamente mais proveitoso do que o malabarismo em torno da auto-ajuda. Enquanto a auto-ajuda é um exercício mental, a comunhão com Deus é um exercício espiritual. Na primeira, Deus é um figurante, quando necessário; na segunda, Deus é o centro de tudo. Vê-se então que a diferença entre uma coisa e outra é enorme. 

O relacionamento entre pais e filhos, entre marido e mulher, entre amigos verdadeiros, é de suma importância. Porém o relacionamento do ser humano com o ser divino o é muito mais. Nada é mais alto, mais sublime, mais majestoso e também mais substancioso do que o cultivo da comunhão com Deus, pois é o relacionamento da criatura com o Criador. 

O apóstolo João escreveu: “Nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho, Jesus Cristo” (1 Jo 1.3). Essa comunhão não é complicada, não é impossível, não é nebulosa, não é artificial, não é de mentirinha. Não depende da visão, da audição, do tato, do paladar ou do olfato. E Jesus explica o porquê: “Deus é espírito, e por isso os que o adoram devem adorá-lo em espírito e em verdade” (Jo 4.24, NTLH). Temos outro recurso além dos cinco sentidos. Chama-se fé. E sem ela é impossível agradar a Deus, “pois quem dele se aproxima precisa crer que ele existe e que recompensa aqueles que o buscam” (Hb 11.6). 

A desejada comunhão com Deus começa com a busca que dele fazemos, com toda a sinceridade e com todo o afinco, por meio da fé. Vai se firmando, se avolumando e se mantendo com exercícios devocionais, dos quais os mais importantes são a leitura meditativa das Escrituras Sagradas, que chamamos acertadamente de Palavra de Deus, e a oração espontânea. Acontece mesmo algo estranho quando se lê de forma devocional a Bíblia. Além do valor intrínseco da Palavra, o Espírito Santo se serve dela para produzir em nós coisas como alegria, amor, certeza, consolo, entusiasmo, esperança, formação, paz de espírito, ponto de apoio, segurança e vigor. A oração completa o que a leitura das Escrituras começou a fazer, desde que não seja uma oração decorada, autoritária. Ela promove a comunhão com Deus porque orar é entrar no Santo dos Santos para colocar-se na presença do próprio Deus em espírito, valendo-se do sacrifício vicário de Cristo, e falar com Deus com toda a liberdade, pela palavra audível ou silenciosa. 

Outro elemento óbvio na construção e permanência da comunhão com Deus é a questão da igualdade de objetivos e de comportamento. Daí a pergunta: Poderão dois andar juntos, a não ser que estejam de acordo? (Am 3.3). Precisamos ser santos porque ele é santo (1 Pe 1.15-16). Em tempo algum, Deus deixou de ser santo porque nós não somos santos. 

Para receber a sua revista em casa até 2008, assine.
É diretor editorial da Ultimato.
  • Textos publicados: 173 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Prateleira

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.