Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Por Escrito

A mãe das mães solteiras

A propósito do Dia das Mães a ser celebrado no próximo domingo, resgatamos a história de compaixão e serviço de Helene Londahl, publicada no então jornal Ultimato nº 62, em agosto de 1973. Confira.

***

Uma senhora norueguesa, chamada Helene Londahl, oficial do Exército de Salvação, radicada em São Paulo, certo sábado à noitinha vendia o jornal “Brado de Guerra” nas ruas da capital bandeirante. Atravessou o Largo Paissandu e entrou na rua Timbiras, naquela época lugar suspeito. De repente, a moça solteira, de 33 anos, se viu, pela primeira vez na vida dentro de uma zona de meretrício. O vocabulário, as fisionomias, os corpos seminus, os olhares transbordantes de lascívia, a deturpação e a comercialização do sexo, tudo isso enche a mente de Helene de um misto de pavor, revolta e asco. Prevaleceu também um sentimento de profunda piedade pela figura universal e tão antiga da chamada “mulher perdida”. Naquela noite e naquele lugar [que hoje é a Cracolândia], Deus começou a empurrar a norueguesa para um tipo de ministério diferente e muitíssimo difícil. Ela ou aquele momento foram “a aurora do horizonte social do Brasil”, como alguém escreveu.

Aproximava-se o Natal de 1936. Helene, que era salvacionista desde os 23 anos, resolveu fazer alguma coisa em favor das mulheres a rua Timbiras. Obteve a colaboração das senhoras da Igreja Presbiteriana Unida, cujo templo ficava ali perto, na rua Helvétia, e de Maria Josefina Anderson, uma jovem brasileira de 21 anos. O plano era oferecer àquelas mulheres a oportunidade de participarem de uma mesa de guloseimas e mostrar-lhes o amor de Deus, a necessidade e a possibilidade de deixarem aquele tipo de vida. O local de encontro seria no salão social da igreja da rua Helvétia. Para avisá-las disso, Helene e Maria Josefina se enfiaram na rua Timbiras e fizeram cerca de 300 convites, entre o espanto, o desprezo e o estado de embriaguez das mulheres ali residentes. NO dia de Natal, a mesa estava muito bem adornada e suprida. As senhoras presbiterianas se perguntavam: elas virão? Quantas? Por fim, chegaram quatro, apenas quatro. Sentaram-se à mesa, foram servidas com amor. Enquanto participavam, desenvolveu-se um pequeno e bem organizado programa espiritual, com cânticos, leitura da Bíblia. Uma delas, de tão sensibilizada, levantou-se bruscamente e pôs-se a chorar. Helene foi ao seu auxílio e ofereceu-lhe hospedagem em seu próprio quarto, até que ela se ajeitasse. A prostituta aceitou. Ficou combinado que em breves dias a norueguesa iria busca-la. A palavra, no entanto, foi cumprida tão somente pela salvacionista. A mulher da rua Timbiras não conseguiu libertar-se da rede em que fora colhida.

Em termos de frutos e frutos imediatos, o balanço da tão bela iniciativa foi melancólico. Porém, é bom saber que o Lar das Moças, do Exército de Salvação, no Bosque da Saúde, onde se ampara e se procura erguer as mães solteiras, antes que as circunstâncias e a sociedade as tornem mulheres da vida, é resultado da visão e do trabalho de Helene Londahl! Inaugurado no dia 12 de fevereiro de 1938 – um ano e alguns dias depois daquela refeição natalina da rua Helvétia – o Lar das Moças acolheu mais de 1.300 mães solteiras nos primeiros 20 anos de sua história.

http://www.freeimages.com/photo/584858Depois de trabalhar 18 anos no Brasil, a coronel Londahl tornou-se chefe do serviço social feminino sucessivamente na África do Sul e Suécia até sua aposentadoria. Regressou então ao Brasil, doutorou-se em sociologia na Universidade de São Paulo (1967), recebeu a Medalha de Honra do Esso Brasileiro de Petróleo e a Medalha de Santo Olavo, do rei Olavo V, da Noruega. Morreu de uma trombose, no Dia das Mães, em 1973, ela que, embora sendo solteira, era a mãe das mães solteiras!

Notas:
1. Artigo publicado por ocasião da morte de Hele Londahl no então jornal Ultimato, nº 62, em agosto de 1973, p. 3).
2. O Lar das Moças hoje se chama Projeto FloreSER e continua acolhendo meninas grávidas em São Paulo (SP). Sabia mais.


Leia também
Uma mulher na rua Timbiras (revista Mãos Dadas) 
A mãe do Verbo que se fez carne  
Deixem que elas mesmas falem  
Equipe Editorial Web
  • Textos publicados: 987 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Por Escrito

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.