Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Prateleira

A caminho

Duas sensações podem tomar conta dos leitores da próxima edição da revista Ultimato (338). A primeira é a sensação de dignidade por sermos humanos, por termos uma maravilhosa capacidade de transformar, com as próprias mãos, as coisas ao nosso redor. A história (antiga e recente) é testemunha. Invenções como a agricultura, a escrita, o sabão, a penicilina e a internet são algumas amostras.
 
Continue lendo as páginas da revista e você poderá ser envolvido por uma sensação mais incrível e inexplicável: gratidão. Gratidão a Deus por ele ser o “Eu Sou”, por seu infinito poder, sua infinita glória, sua infinita justiça e seu infinito amor. Reconhecer a grandeza de Deus não diminui o ser humano; ao contrário, dá sentido à sua identidade. 
 
Se juntarmos as duas sensações, entenderemos melhor o que significa ser a “imagem e semelhança” do Criador (Gn 1.26). Entendendo, teremos fôlego para louvar a Deus com sinceridade, como nos convoca o Salmo 148 na lembrança de um dos artigos desta edição. 
 
Louvor universal

O autor do Salmo 148 empolga-se tanto com o louvor devido ao Criador que parece perder as estribeiras. Ele tenta fazer uma lista a mais completa possível de adoradores. O salmista embola tudo, mistura todos os louvores, desde os que acontecem nos mais altos céus até os das profundezas do mar. É possível elaborar quatro séries de louvores.
 
- O louvor angelical. Louvem o Senhor todos os seus anjos (v. 2).
 
- O louvor humano. Louvem o Senhor moços e moças, velhos e crianças, todos os seus servos fiéis, o povo de Israel, todos os povos, reis, governantes e todas as outras autoridades (v. 11-14).
 
- O louvor animal. Louvem o Senhor todos os animais, mansos e selvagens, os que se arrastam pelo chão, os que voam (os passarinhos) e os que nadam (os monstros marinhos) (v. 7, 10).
 
- O louvor inanimado. Louvem o Senhor o sol e a lua, todas as estrelas brilhantes, os mais altos céus e todas as profundezas do oceano, as águas que estão acima do céu, relâmpagos e chuva de pedras, neve, nuvens, ventos fortes, colinas e montanhas, florestas e árvores frutíferas (v. 4-9).
 
A revista Ultimato 338 (setembro-outubro) será enviada hoje aos assinantes. Em breve, ela também estará disponível a eles em nosso site.

Leia mais
Equipe Editorial Web
  • Textos publicados: 1019 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Prateleira

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.