Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Prateleira

A aula do cardeal Arinze na Universidade de Dallas

A aula que o cardeal Francis Arinze, prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, deu na Universidade de Dallas, publicada em “L'Osservatore Romano” e no “Comunicado Mensal da CNBB”, de junho de 2008, colocou Jesus Cristo lá em cima. Segundo ele, para dissipar qualquer dúvida é preciso dar importância fundamental à unicidade de Jesus Cristo, pois “foi a segunda pessoa da Santíssima Trindade que assumiu a natureza humana para a nossa salvação”. Arinze cita o versículo mais conhecido da Bíblia -- “Deus amou de tal maneira o mundo que lhe deu o seu Filho único” (Jo 3.16) --, diz que Jesus é nosso caminho para o Pai (Jo 14.6) e lembra a proclamação da unicidade de Cristo feita por Pedro, perante o Sinédrio: “Não há salvação em nenhum outro” (At 4.12). À vista disso tudo, afirma o cardeal, “Jesus é o único Redentor de cada ser humano” e “não existe e nunca existirá outro como ele”.

Trata-se de um testemunho público de grande valor diante de uma sociedade que nada entende de pecado e salvação. A aula do cardeal Arinze foi um discurso profundamente evangélico, frequente no púlpito das igrejas protestantes.

Todavia, o prefeito da Congregação para o Culto Divino arrefece o vigor de suas palavras quando, na mesma preleção, repete o velho refrão de que “a Igreja no desígnio divino é o sacramento universal de salvação e a partir do momento que está intimamente unida a Cristo, a sua cabeça, tem uma relação indispensável com a salvação de cada pessoa”. Arinze declara abertamente que não podem salvar-se aqueles que “não quiserem entrar na Igreja ou nela permanecerem”. Ele é mais explícito ainda quando diz que “é errado considerar a Igreja como um caminho da salvação ao lado dos que forem constituídos por outras religiões”. O que o cardeal está afirmando é a velha tese de que “fora da Igreja não há salvação”. O bonito discurso inicial, da unicidade do cristão, cai por terra.

Mais explícito ainda do que o cardeal Arinze foi Giuseppe Monti, aquele italiano que se converteu à Igreja Católica antes de ser executado por seus crimes em Roma, em novembro de 1868. Em seu testamento espiritual, Monti fez uma afirmação: “Só a religião católica é que abre as portas do céu aos seus fiéis”. E, depois, fez um apelo: “Ah! Amai a Santa Igreja Católica Apostólica Romana, fora da qual não há salvação”. Isso foi publicado em “O apóstolo”, o único jornal católico do Rio de Janeiro na década de 1860 (21 de fevereiro de 1869, p. 60). Nesse aspecto, não houve mudança na Igreja nos 140 anos que separam o cardeal Arinze do convertido Monti. O que causa um grande prejuízo à unicidade de Jesus Cristo!


Elben César
Diretor-fundador da Editora Ultimato e redator da revista Ultimato, Elben César é autor de, entre outros, Mochila nas Costas e Diário na Mão, Para Melhor Enfrentar o SofrimentoConversas com Lutero, Refeições Diárias com os Profetas Menores, A Pessoa Mais Importante do Mundo, História da Evangelização do Brasil e Práticas Devocionais. Ex-presidente da Associação de Missões do Terceiro Mundo e fundador do Centro Evangélico de Missões, do qual é presidente de honra, é também jornalista e pastor emérito da Igreja Presbiteriana de Viçosa.
  • Textos publicados: 103 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Prateleira

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.