Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Você permaneceria vivendo com uma louca ou um louco?

A História de Jó é um drama conhecido por muitos e alguns até se arriscam, quando estão vivendo um período de perda, em dizer expressões como:
Estou vivendo o sofrimento de Jó, preciso ter paciência de Jó, entre outras.
A verdade é que poucos conseguiriam suportar tal sofrimento. Basta atentarmos nas estações que ocorreram logo depois do integro Jó receber o testemunho do próprio Deus.
Porém não olharemos para as perdas patrimoniais, perda familiares ou mesmo a perda da saúde, não que estas perdas não tenham significados em nossas vidas, alguns só por perderem o nome corporativo já entram em depressão profunda, agora se coloca no lugar de Jó administrando todas estas perdas relevantes?
Não desprezando as perdas, porém quero me concentrar na seguinte questão:
Você já se perguntou por qual razão Jó não perdeu sua mulher, aquela que ele considerou como louca?
Como poderíamos responder tal pergunta? Será que todos temos que aprender a lidar com uma pessoa louca ao longo do caminho, ou mesmo quando este se comportando como louco pode ser nós mesmos, para treinamento e aperfeiçoamento do outro, ou nosso?

Não quero ser presunçoso em tentar criar uma resposta pronta para entender o motivo de Jó não ter perdido também sua esposa.
Mas um ponto que devemos levar em consideração foi o pacto que Jó, um exemplo de Hombridade em todos os aspectos, estabeleceu com seus olhos quando
declara a seguinte expressão:

"Estabeleci um pacto com meus olhos de não atentar com cobiça por donzela alguma" Jó 31.1

Dois pontos importantes para serem observados:
Primeiro: como temos honrado os pactos que fizemos ao longo da nossa vida?
Segundo: o desafio de assumir nossa hombridade diante de um mundo que sugere, que grita, que nos convida a abrir mão da Hombridade e do cuidado com nosso cônjuge, mesmo sabendo dos efeitos colaterais de uma decisão que invalida a aliança que fizemos um dia no altar, diante das testemunhas públicas e diante de Deus.

Homens e mulheres, que nossa oração e pedido a Deus, no sentido de permanecermos honrando nossos pactos, nossas alianças e o empenho da palavra que um dia proferimos.
Se porventura deslizamos nesta área, que Deus por sua misericórdia restabeleça em nós a condição de reativar a aliança.
Guarulhos - SP
Textos publicados: 48 [ver]
Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.