Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Superstições: amuletos trazem sorte?

Quando eu era Coordenador Geral de Inspeções [Brasil e Exterior], do Banco Real, um colega me procurou e disse: "Quando você for enviar sua equipe para auditar as Unidades nos Estados Unidos, por favor, peça a um deles para me trazer uma nota [cédula] de dois dólares americanos para que eu sempre a tenha, como amuleto, na carteira, pois ‘chama’ mais dinheiro, muito dinheiro!"

Pensei com os meus botões: "se isso não passasse de superstição, mera crendice popular, não haveria pobres no mundo, sequer classe média, pois pouco custa andar com uma cédula, de pequeno valor, a mais no bolso".

Nesta semana, recebi, por uma rede social, de três pessoas diferentes, uma borboleta azul com os dizeres: "Diz a lenda que se você enviar uma borboleta para os amigos tudo de bom ‘volta’ em dobro. Aceite, é de coração" (sic). Dei boas risadas [em dobro].

Tive asma dos dois aos vinte e um anos e fui vítima de várias "simpatias" que as "comadres" receitavam; uma vez, lembro-me, cortaram as minhas unhas, colocaram em um saquinho de pano, furaram um buraco no tronco de uma frondosa árvore, após medirem a minha altura; colocaram o embrulhinho lá, fecharam-no com a própria lasca que fora tirada antes: "quando eu passasse daquela altura, ficaria curado" (sic) – por muitos anos eu dava boas risadas, logo após às crises asmáticas, e dizia: "por certo, eu ainda não cresci!"

Nós, cinco irmãos, e toda a criançada da vila na qual morávamos, tivemos caxumba na mesma semana; vizinhas chamaram uma "benzedeira" que, com agulha e linha, cosia um pequeno saquinho de pano branco [igual ao das unhas] e dizia: "O quê que eu corto?", e as crianças tinham que responder: "caxumba" – na minha vez, eu dei uma risada e respondi "macumba" e saí correndo para brincar.

Todos nós ficamos curados, no tempo certo da doença, inclusive eu que, desde a primeira infância, não gostava dessas crendices populares; na época eu não sabia, hoje sei, que "é Deus quem sara todas as nossas enfermidades" (Sl. 103 3).

A Palavra de Deus nos afirma, nos dá segurança, e nos alerta, pela pena do Apóstolo Paulo:

"Ora, o Espírito [Santo] diz claramente que nos últimos tempos alguns abandonarão a fé e seguirão espíritos enganadores e doutrinas de demônios. Tais ensinamentos vêm de homens hipócritas e mentirosos (...) Se você transmitir essas instruções aos irmãos, será um bom ministro de Cristo Jesus, nutrido com as verdades da fé e da boa doutrina que tem seguido. Rejeite, porém, as fábulas profanas e tolas, e exercite-se na piedade" (1 Tm. 4 1-2, 6-7).

Diz, ainda, a Escritura Sagrada: "Pois virá o tempo em que não suportarão a sã doutrina [como hoje]; ao contrário, sentindo coceira nos ouvidos, juntarão mestres para si mesmos, segundo os seus próprios desejos. Eles se recusarão a dar ouvidos à verdade, voltando-se para os MITOS (1 Tm. 4 3-4).

O mundo atual prefere viver no "engano", nas superstições, nas "simpatias", na fé em objetos de pau, de gesso, de pedra, de bronze, etc., e a Palavra de Deus é clara sobre isso:

"Os ídolos deles, de prata e ouro, são feitos por mãos humanas. Têm boca, mas não podem falar, olhos, mas não podem ver; têm ouvidos, mas não podem apalpar, pés, mas não podem andar; e não emitem som algum com a garganta. Tornem-se como eles aqueles que os fazem e todos os que neles confiam" (Sl. 115 11).

É abominação, é afronta a Deus depositar a fé na matéria, nas lendas, nas fábulas, nas superstições, nas "simpatias", quando Ele já fez, para nós, TUDO o que é necessário para a vida, para a salvação, para a cura, para a libertação, para uma vida digna diante d’Ele e da humanidade.

Ele ENTREGOU o seu Filho unigênito [sem pecado algum] para DAR a sua própria vida em nosso lugar – os pecadores, os injustos, os incréus somos nós [e eu sei que sou o pior], mas foi ELE e tão somente Ele quem morreu e ressuscitou para que a humanidade só receba o bem, o consolo, o conforto, a salvação, a misericórdia, que "se renova toda manhã", conforme diz a Bíblia:

"Lembro-me da minha aflição e do meu delírio, da minha amargura e do meu pesar. Lembro-me bem disso tudo, e a minha alma desfalece dentro de mim. Todavia, lembro-me também do que me pode dar esperança: graças ao grande amor do Senhor é que não somos consumidos, pois as suas misericórdias são inesgotáveis. Renovam-se a cada manhã; grande é a sua fidelidade" (Lm. 3 19-23).

Se o Senhor Jesus já deu a sua vida por nós para quê [e por quê} recorrer a crendices populares, sem fundamento?

Em assim fazendo anulamos o que já recebemos [a salvação pela graça, mediante a fé em Cristo]; crucificamos o Senhor Jesus, novamente, a cada ato [esotérico] como esses (Hb. 6 4-6).

Pense nisto!
São Paulo - SP
Textos publicados: 481 [ver]
Site: http://www.sefiel.com.br

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.