Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Recall Evangélico

De tempos em tempos aparece no horário comercial das emissoras de TV aberta uma convocação de concessionárias de automóveis ou motocicletas para que os consumidores levem seus veículos para a troca de determinada peça. As concessionárias convocam os proprietários para a troca de determinada peça, pois após vários testes e comprovações chega-se a conclusão que sem a troca de tal peça, os condutores desses veículos correm perigo de vida. Os consumidores precisam separar uma data e voltar com os veículos nas concessionárias, que fazem a troca sem custo, pois a responsabilidade das concessionárias, através de seus profissionais capacitados, era oferecer um produto – carro ou moto- sem nenhum problema. Mas, como são seres humanos falhos, os problemas surgem, e assim os proprietários precisam fazer o recall, ou seja, levar os veículos para o reparo de problemas técnicos. Agora surgiu em nosso país o recall de alimentos.
No cenário evangélico brasileiro estamos vivenciando um recall também. A única diferença é que as "igrejas concessionárias" de bênçãos e milagres é que deveriam chamar os "fiéis consumidores" de seus "produtos religiosos" e assim ensiná-lo sobre a justificação, graça, misericórdia, perdão e a salvação em Jesus Cristo. Essas igrejas midiáticas e mercadológicas enganaram, e infelizmente continuam enganando milhares de pessoas com um "falso evangelho", um evangelho adulterado e sem o essencial como mensagem básica da vida cristã. Essas "igrejas" e seus "pastores, bispos e apóstolos" deturparam a verdade do evangelho e injetaram muito sincretismo religioso, somaram tradições religiosas diferentes e alguns versos bíblicos isolados e entregaram, e entregam, uma mensagem adulterada do evangelho de Jesus. As lideranças focadas no sucesso, dinheiro e poder usam a fé simples de pessoas que padecem de necessidades básicas que deveriam ser supridas pelo governo, e assim, o nosso povo carente de várias assistências lotam as franquias evangélicas a procura de cura, milagre e prosperidade. Tais "igrejas" falam das reais necessidades do nosso povo e usam a religiosidade do povo já sofrido, para escravizá-lo ainda mais, agora pelo viés religioso. Dessa forma, emerge uma geração de "evangélicos" que não sabem o que é de fato o evangelho de Jesus e suas implicações. Sabem o que é ser "evangélico" nesse modo mercadológico e da moda gospel. Sabem e consomem os "produtos da fé", os cultos e reuniões, e idolatram o líder como um ser diferenciado por saber "manipular" o poder espiritual.
As últimas pesquisas do IBGE mostra que as igrejas históricas estão tendo um crescimento. Isso se deve a ênfase no plantio de novas igrejas e a antiga forma de fazer missões, mas por estar recebendo pessoas decepcionas com o neopentecostalismo. O movimento neopentecostalismo emergiu em nosso país com força e fez com que os "evangélicos" crescessem numericamente, mas fez um desserviço ao reino de Deus, pois "venderam" e "ensinaram" uma falsa versão do evangelho de Jesus. Assim sendo, as pessoas pensam que são cristãs, mas são consumidoras desse universo "evangélico" e não cristã. Tais pessoas decepcionadas têm procurado as igrejas históricas pela credibilidade social e espiritual, a fim de sanarem as feridas abertas pelo neopentecostalismo. As igrejas históricas domingo após domingo tem recebido os "evangélicos" que precisam do evangelho. Chegou aquele tempo que o pregador presbiteriano Augustus Nicodemos disse que nós teríamos que evangelizar os evangélicos.
Como pastor de uma igreja local vejo esse movimento acontecendo semana após semana, e tenho batizado muita gente que se dizia "evangélica" e que pouco conhecia do evangelho, para não dizer que nada conheciam. São pessoas sinceras. Pessoas que precisam de abrigo e amparo religioso. Pessoas que buscam respostas para suas perguntas e anseios. Pessoas bem intencionadas. Há muitas interesseiras também, mas em suma são pessoas que querem aprender as verdades do reino de Deus. Dessa forma, vejo que as igrejas históricas é que precisarão se aprimorar ainda mais o discurso objetivo do evangelho de Jesus para poder acolher, orientar, direcionar, curar as mazelas e resgatar essas almas para o reino de Deus. As igrejas históricas é que irão tirar os velhos conceitos, os valores equivocados a respeito de Deus dos "evangélicos" e instruí-los a fim de que eles sejam discipulados e se tornem cristãos fiéis autênticos.
Urge a necessidade do retorno dos "evangélicos" para recall, mas não para as "igrejas" que os formataram e sim para as igrejas históricas que buscam a exposição da bíblia com fidelidade e relevância cultural. Que Deus tenha misericórdia desse tempo que vivemos e use as comunidades cristãs fieis para cuidar desse grande contingente de pessoas que precisam de igrejas que são Casa de Oração e não covil de salteadores. Misericórdia!
Bauru - SP
Textos publicados: 19 [ver]

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.