Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Os cristãos modernos e inteligentes praticarão uma espiritualidade leve e sem glúten

A indústria do bem-estar a cada ano aumenta o seu poder. O consultor americano Paul Pilzer, em seu livro The Wellness Revolution (A Revolução do Bem-estar, ainda sem a tradução para o português), diz que essa indústria, além de trilionária, é uma tendência universal, tratando-se de um setor promissor e com excelentes oportunidades para novos negócios. Além da alimentação, Pilzer destaca o crescimento da medicina preventiva, que inclui atividades físicas, vitaminas e terapias orientais.

O mercado do bem-estar, nesse seu processo de explosivo crescimento, contará cada vez mais com um importante aliado: a religião, especialmente a religião cristã evangélica moderna. É bem provável que não seja novidade para ninguém que religião e mercado possuem uma relação antiga, cheia de vantagens para ambas as partes. E, nas última décadas, os movimentos neopentecostais, embalados pela teologia da prosperidade, elevaram essa relação a um clímax astronômico.

Se os neopentecostais (em sua maioria, gente mais humilde e pouco escolarizada) ajudaram a fomentar a indústria dos bens materiais, os evangélicos modernos, mais ricos e estudados, tenderão a nutrir a indústria do bem-estar.

Tenho essa sensação quando ouço algum evangélico moderninho afirmar coisas do tipo: "precisamos cultivar uma espiritualidade mais integral, que cuide da saúde do corpo, da mente e da alma de igual modo". Não faz muito tempo, ouvi um sermão no qual o inteligente e bem articulado pastor, dizia: "O que você come diz muito a respeito da sua espiritualidade". Em um trecho mais adiante, ele se expressou mais ou menos nesses termos: "Se você frequenta a academia, come alimentos saudáveis e participa de atividades prazerosas, você agrada a Deus, pelo fato de estar cuidando do templo mais precioso do Espírito Santo: o seu corpo".

É interessante observar que em contextos evangélicos fundamentalistas e legalistas de anos passados, principalmente em igrejas pentecostais, imperava um forte ascetismo e dualismo do tipo carne versus espírito, segundo o qual o cuidado do corpo era vaidade e fonte de tentações que representavam sérios riscos para a salvação da alma. Nesse sentido, impunha-se uma rigorosa e equivocada compreensão de santidade externa, corpórea, que penalizava, sobretudo, as mulheres, com regras como: não cortar o cabelo, não usar sabonete ou maquiagem, etc. Os exercícios físicos e os esportes eram vistos como atividades mundanas, sem proveito espiritual, sendo, portanto, desaconselhadas ou até mesmo proibidas.

Já os evangélicos modernos e descolados recorrerão a uma hermenêutica inversa, com a valorização da estética corporal, da saúde e do bem-estar como característica de uma espiritualidade completa e integradora e como resultado de uma vida cristã saudável. Se entre os legalistas rigorosos, uma simples taça de vinho tinha um poder terrível de causar escândalo, submetendo o infrator a pesadas sanções, uma deliciosa coxinha de frango com requeijão levará um evangélico fitness a questionar a espiritualidade de alguém.

Acredito que somente gente "ignorante" e "antiquada" levará a religião cristã a sério, no que diz respeito a doutrinas, tradições, instituições e lideranças. O cristianismo só terá lugar no plano de vida dos cristãos modernos e sarados, enquanto mais um item na lista de atividades voltadas para o bem-estar: acordar cedo, correr 10km, cortar o glúten e a lactose, ir de bicicleta para o trabalho, adotar um cachorrinho e praticar algum tipo de "espiritualidade cristã" (seja lá o que se entende por esses dois termos). Corpo são, mente sã, alma sã. Ou "comer, rezar e amar", incorporando a filosofia de vida da escritora Elizabeth Gilbert, de autodescoberta e busca pessoal em que os prazeres saudáveis do corpo, a espiritualidade (paz interior) e os sentimentos (afetos, relacionamentos amorosos) são explorados e vivenciados em perfeita harmonia.

Nesse cenário, a figura tradicional do pastor será substituída pela do coaching cristão. Este, não terá rebanho fixo nem vínculo denominacional. Não terá gabinete dentro de uma igreja, mas uma confortável sala em um bonito prédio comercial. O atendimento poderá ser individual ou em grupo e o local será escolhido pelo cliente, tendo preferência aquele que possibilite melhor contemplação, como um parque ou uma praia. Sentado no chão com as pernas cruzadas em postura de meditação, o aluno ouvirá o seu personal preacher ensinar-lhe sobre acordar sempre cheio de novas ideias, cultivar o pensamento positivo, acreditar em si mesmo, ter foco, manter um estilo de vida saudável e, é claro, crer em Deus (essa força espiritual do bem). Assuntos pesados, como pecado ou carregar a cruz, serão evitados por prejudicarem o bem-estar emocional. E na hora da Ceia do Senhor, o pão, é claro, será integral e sem glúten. O cristianismo será oferecido no mercado religioso como mais uma opção de religiosidade do bem-estar. A obrigação de Deus se reduzirá a cuidar que o fiel se sinta sempre bem, leve e feliz.
Itaperuna - RJ
Textos publicados: 40 [ver]
Site: http://www.crencaevivencia.blogspot.com.br
Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.