Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Deste mundo eu sou

Entrei neste mundo por amor de meus pais que se amaram e neste mundo estou e aqui ficarei. É o meu destino como ser humano. Este é um mundo de Deus. Não há outro.

Aprendi, desde o berço cristão em meus anos pios, que este mundo foi criado por Deus e a Ele pertence. "Nem um iota para o diabo", como dizia meu velho avô, um português com alguns rudimentos do cristianismo.

Foi a este mundo que Jesus Cristo veio. Ele amou esse mundo, amou tanto que deu a sua vida por ele e pelas pessoas que habitam nele.

Quando um monte de ONGs cristãs fazem de tudo para salvar a floresta amazônica, a mata atlântica, elas também são desse mundo, gostam desse mundo, e acham que as próximas gerações precisam usufruir deste mundo e não de outro.

Este é o mundo de cheiros e odores. Alguns fétidos, mas quando abro o vidro do meu carro em plena estrada e deixo o ar condicionado desligado um pouquinho, sinto o bafejo de cheiros e perfumes, especialmente na primavera. É como se a natureza dissesse, "venha sentir a vida, amigo".

Jesus gostava muito desse mundo. Lá do norte de Israel, e de lá para Jerusalém, aquele vale do Jordão é lindo demais para que dissesse, "observai os lírios do campo." Mas a gente fica sempre com o "nem fiam" e acaba por esquecer os lírios!

Quantas não foram as festas que ele participou. Eventos sociais entre gente rica e pobre. Ele chegou ao ponto de se auto convidar. Zaqueu que o diga. Devia ser bom de garfo e apreciar o fruto da videira. Chegaram a apelida-lo de ‘glutão’ e ‘beberrão’.

Como ele amava essa Terra, esse mundo. Acho que foi por isso que pode dizer, "Eu e o Pai somos um". Se o Pai criou, o Filho soube aproveitar.

Jerusalém do alto do Monte das Oliveiras é bonito demais. Jesus chorou por ela. O Vale de Kidron que descortinava à sua frente, os muros ao redor do Templo, antes de sua destruição por Herodes, as construções que iam longe de seu tempo, atraía-o com a convicção de que Seu Pai havia realmente feito um pacto com Noé para jamais destruir a Terra. Isso é que é "Berith".

É difícil imaginar que novos céus e nova Terra significam botar fogo nisso tudo para em seguida reconstruir tudo em outro lugar. Imagino que ele deve ter pensando assim, "acho que meu discípulo Paulo andou lendo algum rabino desatualizado para imaginar que isso tudo será um dia destruído com fogo".

Penso até que entre as muitas conversas que Jesus deve ter tido quando se refrescava na casa de Marta e Maria, enquanto descansava de suas caminhadas, devem ter sido sobre o futuro. Distante ou não, um futuro promissor, mais ou menos como se imaginasse o leão deitado com o cordeiro. Se fosse goiano ou mineiro, certamente Jesus teria exclamado, "eita mundão, caba não!".

Eu quero pensar em "Céu" como sendo outra palavra para Terra. Uma Terra tão boa que parece um "Céu". Em vez de "lá" quero pensar em "cá". No lugar do "porvir", o "advir".

Sempre fiquei intrigado com a ideia de que "lá" no Céu não se casam e nem se dão em casamento. Que negócio mais sem graça, não é mesmo? Claro, Jesus pode ter sido também irônico ao dizer isso, afinal, a conversa era com os Fariseus que viviam pegando no pé dele.

Mas acho que Jesus não deve ter pensando em "Céu", em o "lá" como se fosse outro "lugar", tudo asséptico, sem cheiro, incolor, uma espécie de Suíça eterna. Filho de carpinteiro, o cheiro da madeira e os sons do entalhe devem ter despertado nele desejos de Terra!

Jesus gostava de mar. O mar da Galileia, que nem mar é propriamente, foi lugar onde ele esteve muitas vezes, passou parte da infância, brincou, festejou, viu o trigo e joio crescerem. Deve ter comido muito peixe por lá. Seus discípulos e sermões foram feitos por lá, ao redor de águas.

Não, não consigo entender como alguém quer sair deste mundo e "ir" ou ser "levado" ou catapultado para outro lugar, em algum espaço que não seja essa Terra.

Eu nunca me preocupei com os que morreram, pensando onde poderiam estar. Nunca me preocupei onde está meu pai e minha mãe: nunca "foram", "estão". Exceto quando eu era menino e como menino pensava como menino. Depois que fiquei grande e me tornei homem, se este mundo é tão bom, sobretudo porque Ele disse com seu Pai, "e viu que tudo era muito bom", certamente deve sobrar algum espaço aqui para meus pais que eu ainda não conheço neste jardim de Deus chamado Terra.

Se for bom agora como o que eu conheço da Terra, imagino o quanto deverá ser melhor ainda para eles e com eles.

Acho que Guimarães Rosa em GRANDE SERTÃO: VEREDAS, acertou em cheio quando escreveu, "o mundo é mágico, as pessoas não morrem, ficam encantadas".

Quanto mais eu vivo para morrer, mais encantado vivendo fico com essa Terra e com o Criador.

Eita figura imaginosa esse Jeová!
Parnamirim - RN
Textos publicados: 3 [ver]

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.