Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Cristo: Fonte de vida aos sedentos. (PARTE A)

"Afirmou-lhe Jesus: Quem beber desta água tornará a ter sede; aquele, porém, que beber da água que eu lhe der nunca mais terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der será nele uma fonte a jorrar para a vida eterna." Jo 4.13-14

Em todas as épocas, homens e mulheres sempre se empenharam em descobrir uma fórmula secreta para se obter satisfação espiritual.

Muitos filósofos gnósticos procuram através da gnose, que é uma espécie de conhecimento e sabedoria especiais obter essa satisfação espiritual.

Outros participam de evocação de espíritos de pessoas já mortas para assim ter algum tipo de contato com as coisas da eternidade.

Alguns, para terem um tipo de experiência fora da realidade comum, fazem uso de substâncias que têm o poder de tirar a consciência, dando certa sensação de satisfação espiritual.

Contudo, em todos estes casos, o resultado que se obtém é uma ilusão. Pois naqueles que buscam fora de Cristo sua satisfação, logo nota-se uma insatisfação desesperadora.
Gn 2.7 mostra-nos porque isto acontece:

"E formou o SENHOR Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente." Gn 2:7

Somos d’Ele, nosso corpo foi criado por Ele, o fôlego de vida recebemos do sopro d’Ele e nossa alma existe por causa d’Ele. Portanto, somente em Cristo podemos ter a nossa vontade espiritual satisfeita.

E para mostrar o quanto somente Cristo é a única fonte de toda satisfação espiritual para a vida de uma pessoa, o apóstolo João narra este diálogo entre Jesus e uma mulher moradora da região chamada Samaria.

Numa cidade chamada Sicar, na Samaria, habitava uma mulher de vida imoral, vítima de preconceito religioso e social, sem o conhecimento de que Jesus era o Messias tão esperado pelos judeus.

Cristo tinha uma missão a cumprir naquela região! Não foi simplesmente a eminência de uma revolta entre os fariseus que fez que Cristo saísse da Judeia e fosse para a Samaria! Não foi a falta de outra rota que fez com que Cristo fosse para lá!

É que naquela cidade habitava uma mulher sem qualquer conhecimento de quem poderia dar sentido à sua existência e satisfazer a necessidade de sua alma.

E tudo começa quando Jesus, já cansado da longa caminhada, sem a presença dos discípulos que foram comprar alimento, provavelmente às 6 da tarde, assenta-se à beira da fonte de Jacó para beber água.

Cristo ao parar diante daquela fonte, deseja saciar a sede de outra pessoa. "Jesus disse-lhes: A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou, e realizar a sua obra." Jo 4:34
Muitas vezes permanecemos em um estado de sede espiritual, procurando por todos os lados uma forma de nos mantermos saciados espiritualmente com métodos que nunca funcionam. Enquanto Jesus tem águas que jorram para a vida eterna em nosso interior, muitas vezes queremos ser saciados por outras fontes que enganam, saciam apenas temporariamente e deixam o espírito do homem distante do Espírito de Deus.

Deste texto emana a seguinte verdade teológica que enriquece nossas reflexões sobre a revelação de Jesus Cristo aos sedentos.

"A auto-revelação de Cristo é a única fonte de toda satisfação espiritual."
Há nesta narrativa 4 barreiras vencidas por Cristo que nos traz satisfação espiritual.

I- Barreira geográfica. (4-5)

Para evitar mais um confronto com os fariseus que poderia antecipar a sua morte na cruz, Cristo deixa a Judeia para ir à Galileia. Existiam várias rotas para se chegar a Galileia. Proximidades da costa, através da Pereia e outra que passava pelo centro de Samaria. A escolha daquela rota (Samaria) não era porque era mais cômoda para Jesus passar, mas era para que se cumprisse a vontade de Deus entre os Samaritanos. (4.34 ). "E era-lhe necessário passar por Samaria." Jo 4:4

Passar por Samaria significaria passar por terras de povos impuros, povos que não tinham sangue judeu puro, por causa da mistura de raças que aconteceu na época que Samaria foi levada cativa para a Assíria no ano de 722 a.C.

Cristo não está limitado a distâncias, a dificuldades, a tradicionalismos, a preconceitos raciais e a qualquer tipo de discriminação. Ele pode alcançar o mais distante, o mais desinteressado pelas coisas de Deus, independente onde essa pessoa esteja ou aonde ela vai! Ele pode alcançar! Ele pode satisfazer a sede espiritual de qualquer um que esteja sedento pela sua presença.

Cristo venceu a barreira geográfica que o separava daquela mulher samaritana. Ele foi para um lugar discriminado pelos próprios judeus que consideravam impuros todos aqueles que moravam naquela região da Samaria.
Cristo tem poder e autoridade para transpor todas as barreiras geográficas para alcançar uma alma. E da mesma forma que Ele alcançou aquela mulher na região da Samaria, Ele pode nos alcançar onde quer que estejamos.

Estêfani Silva Honorato
Pastor da Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil
Maringá - PR
Textos publicados: 1 [ver]

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.